festival música de Setúbal

Ensemble Juvenil Setúbal

Na sequência dos quatro anos de trabalho desenvolvido pelo Festival de Música de Setúbal com a comunidade local, e beneficiando do apoio do programa PARTIS – Práticas Artísticas para Inclusão Social, da Fundação Calouste Gulbenkian, um novo passo foi dado na criação de oportunidades e consolidação de vivências musicais dos jovens músicos de Setúbal. A criação de um ensemble ou de uma pequena orquestra juvenil, no qual alguns dos jovens músicos mais talentosos da região podem prosseguir a viagem musical depois de terminarem a escola secundária e antes de iniciarem a vida adulta profissional, começou a tomar forma no final de 2014. O conceito que está na sua génese é verdadeiramente inclusivo: esta pequena “orquestra” reflecte a realidade da atividade musical da comunidade local e, por isso, inclui na sua formação os percussionistas de tradição africana/ latino-americana (20% da população, originária de ex-colónias portuguesas), os instrumentistas clássicos, os músicos de jazz e os jovens com necessidades especiais, que estão agora a desenvolver as suas capacidades músicais com recurso a tecnologia de apoio. Importante, também, é o facto deste Ensemble proporcionar trabalho regular a jovens compositores, tal como as orquestras sempre fizeram no passado, uma vez que é necessário criar um reportório com obras especialmente compostas ou arranjadas para este formato único de democracia musical.

O Ensemble Juvenil de Setúbal é um projecto da A7M - Associação Festival de Música de Setúbal, com direção artística de Ian Ritchie e conduzido por três líderes (ou orientadores) especialistas em diferentes géneros musicais: Rui Borges Maia, Pedro Condinho e Fernando Molina. Rui Borges Maia é músico clássico membro da Orquestra de Câmara Portuguesa e do Plural Ensemble (Espanha). Faz também parte do Quinteto À-vent-garde e do Tagus Ensemble. Em novembro de 2014 estreou-se na colaboração com o Ensemble MidtVest (Dinamarca); Pedro Condinho é um professor de música que tem inspirado, ao longo de vários anos, crianças e jovens com necessidades educativas especiais e é também músico profissional da área do jazz; Fernando Molina trabalha internacionalmente como percussionista na área da world music e desenvolve atividade regular em Portugal, onde leciona e dirige diversos workshops e projetos na área das percussões.

"Este é um projeto único e inovador, mas a filosofia e a metodologia podem ser igualmente adotadas e adaptadas por comunidades locais em qualquer parte do mundo. Estamos orgulhosos de que Setúbal seja a casa da primeira ‘orquestra’ que realmente se liberta de barreiras culturais e sociais – as quais muitas vezes se interpõem entre pessoas de diferentes origens e entre músicas de diferentes géneros – na busca da qualidade artística, bem como da igualdade" - Ian Ritchie, diretor artístico


YOUTH ENSEMBLE OF SETUBAL


Following four years of work developed by the Setubal Music Festival with the local community, and benefiting from the support of Gulbenkian’s Foundation recently established PARTIS scheme - Artistic Practices for Social Inclusion, a new step was taken in creating opportunities and the consolidation of musical experiences for the young musicians from Setubal. The creation of an ensemble or a small youth orchestra, in which some of the most talented young musicians in the region may continue musical journey after finishing high school and before undertaking professional adult life, began to take shape in late 2014.

The concept is uniquely inclusive: the ‘orchestra’, mirroring the Festival’s approach, will truly reflect the nature and music-making of the local community and therefore it will include drummers in the African / Latin American tradition (20% of the population coming from the former Portuguese colonies), classical instrumentalists, jazz musicians, and young people with special needs who are now learning to play music using assistive technology. Importantly, the Youth Ensemble of Setubal will give regular work to young composers, just as orchestras always used to do, because a new repertoire needs to be specially composed or arranged for this unique musical democracy.

The Youth Ensemble of Setubal is a project developed by A7M – Cultural Association for Setubal Music Festival, under the direction of Ian Ritchie as artistic director and guided by three specialist music leaders: Rui Borges Maia, Pedro Condinho and Fernando Molina. Rui Borges Maia is a well-known classical musician, member of the Portuguese Chamber Orchestra and the Plural Ensemble (Spain). He also plays with À-vent-gard Quintet and with Tagus Ensemble (Portugal) and started recently his collaboration with Ensemble MidtVest (Denmark); Pedro Condinho is an inspirational music teacher of young people with special needs and much in demand as a professional jazz musician; Fernando Molina works internationally as a percussionist in world music and other contemporary genres and locally as a workshop leader and teacher.

“This is a unique and ground-breaking project, but its philosophy and methodology can both be adopted and adapted by local communities almost anywhere in the world. We are proud that Setubal will be home to the very first ‘orchestra’ that genuinely gets rid of cultural and social barriers, which often stand between people of different backgrounds and music of different genres, in the pursuit of artistic quality as well as equality.” says Ian Ritchie, the Artistic Director.

Clique para ampliar | click to zoom


Ensemble Juvenil de Setubal

Ensemble Juvenil de Setubal

Ensemble Juvenil de Setubal

Ensemble Juvenil de Setubal

Ensemble Juvenil de Setubal

Ensemble Juvenil de Setubal

Ensemble Juvenil de Setubal

Ensemble Juvenil de Setubal