festival música de Setúbal

O Festival 2014


O programa para o quarto Festival de Música de Setúbal, evento de caráter anual, reflete, uma vez mais, a enorme diversidade e criatividade das nossas comunidades locais, assim como as influências internacionais na vida cultural deste lugar excecional. Nesta edição, o tema do festival é o “Mar”, recurso que moldou e sustentou a existência de Setúbal ao longo da história e que continua a definir a personalidade desta cidade.

Desde o início, as crianças e os jovens são parte da essência do Festival de Música de Setúbal e desempenham um papel fundamental no desenho da programação: criando músicas, formando grupos, colaborando uns com os outros e trabalhando ao lado de artistas visitantes de classe mundial. O evento tem a duração de quatro dias, mas o trabalho musical com a comunidade desenvolve-se durante todo o ano. Setúbal é inundada pela promessa musical e pelo talento criativo. Os jovens artistas criam ondas por toda a cidade enquanto desfilam as suas percussões, cantam as suas canções e tocam os seus instrumentos, em espaços fechados ou ao ar livre.

Tal como a fantástica variedade de vida que existe nos mares que nos rodeiam, a música revela-se de muitas formas e a programação do Festival é reflexo disso, com algo para todos os gostos, para todos os públicos. Depois do sucesso da participação na edição anterior, a londrina Grand Union Orchestra regressa para abrir o festival com um novo espetáculo que liga a cultura portuguesa a diferentes culturas mundiais, através da linguagem comum que é a música.
Recebemos também as belíssimas vozes do Grupo Vocal Olisipo, de Lisboa, num concerto encantador, inspirado em textos antigos e na música de Ave Maris Stella (Salve, Estrela do Mar). O Museu do Trabalho Michel Giacometti, outrora uma fábrica de conserva de peixe, acolhe uma instalação de música e vídeo, especialmente encomendada ao artista Fernando Mota. O concerto de encerramento desta edição apresenta a Orquestra de Câmara Portuguesa, acompanhada de uma das jovens estrelas em ascensão da ópera, a soprano Susana Gaspar, num programa de reportório clássico e romântico, conduzido por Pedro Carneiro, que reflete os movimentos e as emoções do mar.

 

The 2014 Festival


The programme for our fourth annual Music Festival again reflects the rich diversity and creativity of our local communities and the international influences upon the cultural life of this unique place. This year the theme is the Sea, which has shaped and nourished Setúbal’s way of life throughout history and continues to define its character.

From the very beginning, young people have been the essence of the Festival and played vital roles at the heart of the musical programme, creating songs, forming groups, collaborating with each other and working alongside world-class visiting artists. The Festival itself lasts for only four days but the musical work is happening throughout the year. Setúbal is awash with musical promise and creative talent: listen out for the young performers making waves through the city as they parade their percussion, sing their songs and play their instruments both indoors and out.

Like the amazing variety of life in the seas which surround us, wonderful music exists in many forms and the Festival programme reflects this: there is something for everyone to enjoy. After their popular visit last year, the London-based Grand Union Orchestra returns to open the Festival with a brand new show, connecting different Portuguese and world cultures through the common language of music. We also welcome the beautiful voices of Lisbon’s Grupo Vocal Olisipo in an enchanting concert, inspired by the ancient words and music of Ave Maris Stella (Hail, Star of the Sea). The Giacometti Museum, once a sardine factory, comes to life in a specially-commissioned musical and video installation created by the artist Fernando Mota. The closing concert features the Portuguese Chamber Orchestra, with Pedro Carneiro and one of opera’s rising stars, the soprano Susana Gaspar, in a classical and romantic programme which reflects the motions and emotions of the sea.

O novo Ensemble Juvenil de Setúbal


A visão do Festival para a vida musical de Setúbal assenta na construção de uma pirâmide. Na base, estão as mais de 1000 crianças e jovens de toda a comunidade com quem temos vindo a trabalhar para o desenvolvimento das suas capacidades criativas e performativas. No nível seguinte, vemos novos grupos musicais que surgem entre as crianças em idade escolar, novas colaborações entre diferentes instituições da cidade e novas parcerias entre as populações locais e artistas internacionais, todos eles compartilhando o trabalho com o público durante o evento anual. O terceiro nível da pirâmide não está ainda construído: não existe um ensemble ou uma orquestra juvenil onde os jovens músicos mais talentosos da região possam prosseguir a viagem musical depois de terminarem a escola secundária e antes de iniciarem a vida adulta profissional.

Esta realidade está prestes a mudar. Com o apoio do recém-criado programa PARTIS – Práticas Artísticas para Inclusão Social, da Fundação Calouste Gulbenkian, um novo ensemble formado pelos melhores jovens músicos de Setúbal será criado nos próximos três anos.
O conceito que está na sua génese é verdadeiramente inclusivo: esta pequena “orquestra”, espelhando o que acontece no Festival, vai refletir a realidade da atividade musical da comunidade local e, por isso, incluir na sua formação os percussionistas de tradição africana / latino-americana (20 por cento da população, originária de ex-colónias portuguesas), os instrumentistas clássicos, os músicos de jazz e os jovens com deficiência, que estão agora a aprender a tocar música com recurso a tecnologia de apoio.
Importante, também, é o facto de o Ensemble Juvenil de Setúbal proporcionar trabalho regular a compositores, tal como as orquestras sempre fizeram, uma vez que será necessário compor um reportório com obras especialmente criadas ou arranjadas para este formato único de democracia musical.

O Ensemble Juvenil de Setúbal será desenvolvido sob direção do Festival de Música de Setúbal e conduzido por três líderes (ou orientadores), especialistas em diferentes géneros musicais: Pedro Carneiro, Pedro Condinho e Fernando Molina. Pedro Carneiro é fundador e maestro da recentemente formada e bem-sucedida Orquestra de Câmara Portuguesa, além de um percussionista mundialmente aclamado – os músicos da Orquestra de Câmara Portuguesa, que dirige, proporcionarão apoio especializado a este projeto; Pedro Condinho é um professor de música que tem inspirado, ao longo de vários anos, crianças e jovens com necessidades educativas especiais e é também músico profissional da área do jazz; Fernando Molina trabalha internacionalmente como percussionista na área da world music e desenvolve atividade regular em Portugal, onde leciona e dirige diversos workshops e projetos na área das percussões. Estes três músicos vão trabalhar com o novo Ensemble Juvenil em ensaios semanais e preparar apresentações públicas ao longo do ano, inclusive durante o Festival. Cerca de 30 dos mais talentosos jovens músicos da região serão selecionados até ao verão de 2014: três programas de concerto serão desenvolvidos no primeiro ano de apresentações (até o verão de 2015), aumentando para seis programas no ano seguinte, cada um realizado em Setúbal e repetido fora da cidade.

"Este é um projeto único e inovador, mas a filosofia e a metodologia podem ser igualmente adotadas e adaptadas por comunidades locais em qualquer parte do mundo. Estamos orgulhosos de que Setúbal seja a casa da primeira ‘orquestra’ que realmente se liberta de barreiras culturais e sociais – as quais muitas vezes se interpõem entre pessoas de diferentes origens e entre músicas de diferentes géneros – na busca da qualidade artística, bem como da igualdade", salienta Ian Ritchie, diretor artístico do Festival de Música de Setúbal.


A New Youth Ensemble for Setúbal


The Festival’s vision for the musical life of Setúbal is the building of a pyramid. At its base are at least 1,000 young people from throughout the community with whom we have been working to develop performing and creative skills. At the next level we have seen new musical groups emerge among the school-age children, new collaborations between different institutions in the city and new partnerships between local people and international artists, all sharing their work in the annual Festival. The next level of the pyramid is not yet built: for now, there is no youth orchestra or ensemble for the region’s most gifted young musicians to continue their musical journey from the end of their school days to the start of their professional adult lives.

But all this is set to change. With the help of an award from the Gulbenkian Foundation’s recently established PARTIS scheme, a new ensemble of Setúbal’s best young musicians will be created over the next three years. The concept is uniquely inclusive: the ‘orchestra’, mirroring the Festival’s approach, will truly reflect the nature and music-making of the local community and therefore it will include drummers in the African / Latin American tradition (20% of the population coming from the former Portuguese colonies), classical instrumentalists, jazz musicians, and young people with disabilities who are now learning to play music using assistive technology. Importantly, the Youth Ensemble of Setúbal will give regular work to composers, just as orchestras always used to do, because a new repertoire needs to be specially composed or arranged for this unique musical democracy.

The Youth Ensemble of Setúbal will be developed under the direction of the Setúbal Music Festival and guided by three specialist music leaders: Pedro Carneiro, Pedro Condinho and Fernando Molina. Pedro Carneiro is the founder and maestro of the recently established and successful Portuguese Chamber Orchestra as well as being a world-famous solo percussionist – the PCO musicians will also provide expert support for the project; Pedro Condinho is an inspirational music teacher of young people with special needs and much in demand as a professional jazz musician; Fernando Molina works internationally as a percussionist in world music and other contemporary genres and locally as a workshop leader and teacher. They will train the new Youth Ensemble in weekly rehearsals and prepare regular performances throughout he year, including during the Festival. Around 30 of the region’s most talented young musicians will be selected by summer 2014: three programmes will be developed in the first year (to summer 2015), increasing to six projects in the following year; each programmwe will be performed in Setúbal and repeated outside the city.

Ian Ritchie, the Festival’s Artistic Director, says: “This is a unique and ground-breaking project, but its philosophy and methodology can both be adopted and adapted by local communities almost anywhere in the world. We are proud that Setúbal will be home to the very first ‘orchestra’ that genuinely gets rid of cultural and social barriers, which often stand between people of different backgrounds and music of different genres, in the pursuit of artistic quality as well as equality.”

Voltar ao topo