O Festival de Música de Setúbal está agora na sua oitava edição e continua a ser um fenómeno cultural único que junta artistas convidados mundialmente aclamados, tanto Nacionais como internacionais, com a comunidade local – incluindo quase 1500 jovens – fazendo música e enriquecendo a vida cultural desta adorável e acolhedora cidade.

Todos os anos, o programa do nosso Festival foi ganhando inspiração e integridade através de temas que verdadeiramente interessam a Setúbal. Home – a ideia central deste ano – tem vários significados importantes que não são facilmente traduzidos para a língua portuguesa por uma única palavra, como na língua inglesa, exigindo, assim, várias traduções distintas: lugares, lar, em casa, raízes, origens …. Refletindo a rica diversidade cultural das pessoas para as quais Setúbal é home, os nossos artistas responderam com grande criatividade e de formas maravilhosamente diferentes. A ideia de home reflecte naturalmente e integra os temas

de todas as nossas sete edições anteriores, principalmente no nosso foco mais recente na migração, em 2017, o que continua inevitavelmente a influenciar a nossa sociedade e, portanto, a nossa programação.

Estamos encantados por receber um conjunto de artistas notáveis, alguns da região e outros de locais mais distantes, que vêm, este ano, pela primeira vez ao Festival. A cantora e acordeonista tradicional Celina da Piedade, uma estrela nascida na região de Setúbal, abre as hostes em casa, com sua própria banda, o Cante Alentejano, jovens músicos de Setúbal e um convidado especial – João Gil. A noite seguinte abre com a afamada Orquestra Sinfónica Portuguesa, que sai por algum tempo da sua casa – o Teatro Nacional de São Carlos – para nos visitar com um programa internacional omde unirá forças com a nossa Camerata do Festival e os Conservatórios de Palmela e Setúbal Este concerto será dirigido pelo premiado maestro português Nuno Coelho da Silva. Outros destaques do programa, incluem performances (e um projeto muito especial) liderado pela artista egípcia sediada em Londres, Merit Ariane, e um regresso do maestro Pedro Teixeira, desta vez com seu Coro Ricercare de Lisboa. Como sempre, a criatividade e as performances de muitos dos jovens de Setúbal fornecem a força vital e o propósito do Festival.

Temos uma enorme dívida de gratidão pela iniciativa e apoio do The Helen Hamlyn Trust, pelo apoio do Município de Setúbal e dos muitos parceiros locais, instituições e indivíduos, cujos esforços fazem com que tudo isto aconteça.

Os visitantes do Festival poderão desfrutar de apresentações nalguns dos mais belos e históricos monumentos de Setúbal. O passado encontra o presente, não só na cidade como na arquitetura e nos espaços abertos, mas também na sua vida cultural vibrante,

sendo o Festival um reflexo disso mesmo. Convidamo-lo a experimentar a personalidade única desta cidade e a sentir-se em casa na diversidade acolhedora das suas ofertas artísticas.


Ian Ritchie nasceu na cidade de Londres em 1953, iniciou os seus estudos na Royal College of Music em 1971 (vencendo o Prémio Mario Grisi para cantores), estudou coro e foi aluno em direito e música no Trinity College, Cambridge, e continuou na Guildhall School of Music & Drama. Tem uma carreira musical e como curador com mais de 40 anos, dirigiu várias organizações artísticas de destaque, incluindo a City of London Sinfonia, a Orquestra de Câmara Escocesa, a Opera North, o Festival St Magnus (Orkney) e o Festival City of London.

Como programador multidisciplinar, centrado na música, Ian está comprometido com a excelência e inclusão social nos seus festivais, proporcionando oportunidades a músicos de todas as proveniências para criar e apresentar. Ao longo dos últimos 20 anos, prestou apoio regular como facilitador artístico na Bósnia-Herzegovina e em outros ambientes pós-conflito. Está envolvido em várias organizações musicais como gestor ou conselheiro, e recentemente ajudou a criar a Music Action International, que trabalha criativamente com refugiados e requerentes de asilo, ganhou o título de ‘Charity of the Year’ nos The Guardian Charity Awards 2016.

Ian é Director Artístico do Festival de Música de Setúbal (Portugal) desde o seu início em 2010-11 e tem posições semelhantes no Ensemble Juvenil de Setúbal e no The Musical Brain (Artes, Ciência e a Mente). É solicitado enquanto orador, actua enquanto cantor e narrador, avalia competições, é um mentor para novos músicos, ensinando programação artística e apoiando em várias universidades e faculdades no desenvolvimento de carreira e gestão criativa.